Banda Mantiqueira lança disco comemorativo de 25 anos

Depois de um hiato de quase 12 anos, a Banda Mantiqueira, uma das mais expressivas e respeitadas big bands brasileiras, lança seu quarto álbum,’ Com Alma’, pelo Selo Sesc. O lançamento marca as comemorações pelos 25 anos da banda, criada em 1991, mas pensada por seu idealizador, o músico Nailor Azevedo, o Proveta, desde o início dos anos 1980, quando chegou a São Paulo e passou a tocar no Maksoud Plaza. “Passavam por lá todos os grandes músicos e orquestras. Era uma casa sofisticada, com um repertório bem americanizado. E eu pensava em quando conseguiríamos fazer a nossa música”, lembra Proveta.
 
Depois de várias formações e criação de bandas que tiveram vida breve, surgiu a Mantiqueira, em 1991. Desde então, a banda lançou três álbuns, ‘A Aldeia ‘(1998), ‘Bixiga’ (2000) e ‘Terra Amantiquira’ (2005). “Passamos esses quase 12 anos sem gravar outro disco, mas, por outro lado, a gente cresceu muito musicalmente, tocando com outros artistas e investindo em atividades pedagógicas. Trabalhos que trouxeram mais experiência para os músicos”, explica Proveta. “Mas para marcar os 25 anos, sentimos que era importante contar a história da banda.” Segundo Proveta, ‘Com Alma’ representa o fim de um ciclo musical na trajetória da Mantiqueira. Por isso a necessidade de revisitar no repertório do novo álbum um pouco dessa história. “Tenho arquivo de tudo que a banda já fez e procurei nesse material os arranjos que ajudariam a contar essa história.”

Nesse processo ele selecionou duas composições que nasceram na fase inicial da banda, o frevo ‘Forrolins’ e ‘Chorinho para Calazans’, ambas do saxofonista Cacá Malaquias, que faz uma participação especial no disco. “Fiz os arranjos no começo dos anos 1990. Tinha gravações ainda em fita K-7. E procurei manter a energia daquele momento”, afirma Proveta. Na seleção entrou também a música ‘Stanats’, do compositor pernambucano Moacir Santos, feita em homenagem ao saxofonista norte-americano Stan Getz, com arranjo que data de 1984.
“Em 1996 fiz um arranjo para a Orquestra Jazz Sinfônica de uma música do Pixinguinha e Benedito Lacerda, ‘Segura Ele’. Ela abre o disco e com a participação muito especial do trompetista norte-americano Wynton Marsalis”, conta Proveta. Marsalis toca também na música que dá nome ao álbum, ‘Con Alma’, composição de Dizzie Gillespie que ganhou cores de bossa nova e samba canção no arranjo de Edson José Alves, feito para o saxofonista e clarinetista cubano radicado nos Estados Unidos Paquito D’Rivera. Esta canção conta ainda com a participação especial do violonista Romero Lubambo. “O Marsalis e o Lubambo juntos vira conversa de gente grande. Não há palavras para agradecer por essas participações tão generosas”, destaca Proveta. “Não sabia quando gravamos, mas em outubro deste ano, Gillespie completaria 100 anos. Assim, o disco faz também uma homenagem a ele.”
 
As duas outras canções que compõem o álbum, ‘Desafinado’ e ‘De Frente pro Crime’, têm arranjos mais recentes. “Elas foram escolhidas em homenagem a dois grandes nomes da MPB, que não podiam ficar fora, o maestro Tom Jobim, um dos mentores e referência da Mantiqueira; e João Bosco, padrinho do lançamento do primeiro CD da banda”, conta Proveta. “Vendo a situação do País, o que está acontecendo no Espírito Santo, percebemos que mais que a história da banda, o álbum conta parte da história do Brasil.”
 
Publicado 07/02/2017 – 20h58 – Por Delma Medeiros
Veja a matéria no site do Correio Popular.
Veja o PDF da matéria impressa.

Comapartilhe

Nenhum comentário ainda.

Deixe seu comentário

You must be logged in to post a comment.